Translate

terça-feira, 5 de maio de 2009

ÓCULOS DE NATAÇÃO



Os óculos de Natação
Por Bona




Primeiramente deparamo-nos com o dilema: usar ou não. Há quem defenda ardorosamente as duas opiniões. Aprendi com o tempo que o ideal é restringir o seu uso nas fases iniciais do aprendizado, somente àqueles casos em que ele é absoltamente indispensável. Primeiramente a criança deve passar por um processo de adaptação dos órgãos sensoriais, entre eles os olhos, e aprender a abri-los embaixo d´água. Isso fará bem à sua auto-estima e deixará nela a impressão de que quem nada é ela e não os óculos. Eles poderão sim, vir mais tarde para ajudar, mas numa etapa em que a criança já domina várias das habilidades básicas no meio líquido. Estariam excluídas desta restrição (os tais casos indispensáveis) apenas aquelas crianças que de fato apresentam uma sensibilidade grande ao cloro ou aos demais químicos que a água da piscina fatalmente contém.
Em etapas mais adiantadas os óculos devem ser introduzidos necessariamente por pelo menos duas razões principais: a primeira é que entre as habilidades específicas da natação a serem abordadas, sobrevirá fatalmente o aprendizado das viradas olímpicas e isso, por sua vez exige uma avaliação da distância do nadador até a borda muito precisa, o que sem os óculos é bem difícil.
A outra razão é que em etapas mais adiantadas, como o aperfeiçoamento e o treinamento, as sessões de aula costumam ser bem mais longas do que uma simples aula de 45 ou 50 minutos, e com o rosto do nadador entrando e saindo da água o tempo todo, o que costuma afetar e congestionar mesmo os olhos mais resistentes.
Dito isso, vamos a algumas dicas práticas para que os óculos, quando vierem, venham para ajudar nadadores e professores, e não para ser mais um elemento de dispersão e interferência no rendimento do nadador.



1. Óculos de má qualidade é dinheiro jogado fora. Esclareça que eles não tenham dó de investir um pouco mais nuns óculos de boa marca e modelo. Valerá muito a pena. Prefira também os modelos de tamanho menor, que via de regra se ajustam melhor ao rosto e resistem mais na posição correta aos mergulhos.



2. Ensine e ajude a criança a ajustar os óculos: tanto a distância entre as oculares como a tensão das tiras, que não pode ser nem muito grande (para não machucar o rosto) e nem muito pouca (para não entrar água nas oculares).



3. Ainda no quesito tensão das tiras, quando achar oportuno, ensine também que há duas tensões de tiras distintas: uma menor, para aulas normais; e outra maior para aulas com saídas em mergulho, tiros fortes, festivais e competições.



4. O posicionamento ideal das tiras atrás da cabeça é bem alto, num alinhamento superior ao dos olhos. Tiras muito baixas, próximas à nuca, tenderão sempre a fazer com que os óculos saiam nos mergulhos e mesmo nos impulsos na borda.



5. Durante a aula, oriente os alunos para que tirem ou mexam nos óculos o mínimo possível. No máximo uma breve puxadela para passar a língua dentro das oculares para desembaçá-las. Quanto menos se preocuparem com isso, mais rápido se acostumarão a eles e mais atenção darão aos exercícios de aula.



6. Para aulas com tiros fortes, e em treinamentos para festivais ou competições aproveite os problemas que surgirem com os óculos para orientá-los a prosseguirem mesmo que estes saiam ou inundem de água. O segredo é, num gesto rápido de uma das mãos, transformar os óculos numa “gargantilha” e terminar a prova da melhor forma possível. Nadar com eles nas mãos, nem pensar.



7. Para quem nunca usou óculos, esclareça que o tempo para se acostumar a eles é de algumas semanas, e não de uma a ou duas aulas. É preciso certa perseverança e a crença firme de que a melhoria da visão submersa valerá a pena.



8. Ensine as crianças a cuidar de seu equipamento de aula para não perdê-lo, quebrá-lo ou coisa assim. O ideal inclusive é banhá-los no chuveiro após a aula. Zelar pelo seu equipamento completo de aula (óculos, touca, sunga, palmares, etc.) é sinal de responsabilidade, independência e de respeito pelo dinheiro dos pais.




Escrito pelo Prof. Paul Henrique Bonacella




Um comentário:

Paulo Henrique disse...

é... depois das aulas de mergulho to aprendendo a regular meus oculos heheh, eles quase sempre viram gargantinha nos saltos da borda!